Thursday, July 20, 2017

PARDAIS ESPERTOS & FANTASMAS BENIGNOS - Rosário Breve n.º 515 in O RIBATEJO de 20 de Julho de 2017 - www.oribatejo.pt





Pardais espertos & fantasmas benignos



1 Há muitos anos que o Verão e eu nos não damos bem. Prefiro-lhe épocas mais moderadas, mais temperadas, menos brutais, menos inabitáveis. Como no entanto ele é que manda, fecho-me mais em casa, cerrando cortinados e estores para que a sombra me proporcione a ilusão de uma frescura que de facto não há.
Faço por não vegetar. Tenho fartura de livros que há anos me esperam a visita demorada. De raro em raro, um documentário televisivo cativa-me a atenção. E há sempre a internet, arca sem fundo de motivos de (muito) interesse, uma vez filtradas as fontes.
O mais curioso de tudo isto é a amálgama. Refiro-me ao emaranhado de informações que chegam, estão e se vão embora, deixando todavia fragmentos que se me incrustam na lembrança e que, aqui e ali, a este (des)propósito ou por aquela sem-razão, arranjam maneira de irromper do olvido para que tudo, afinal, tende.
Se a velhice lograr desarranjar-me os fusíveis mentais, vai ser bonito. Hei-de dar por mim a reportar à senhora auxiliar de enfermagem que o meu pianista preferido, Bill Evans, teve um fim trágico, não sei já bem porquê nem como, acho que droga, senhora doutora, a morte de um irmão, coisa assim. E nisto, a cada 10 de Junho, na minha cabeça não ser Portugal o cerne da efeméride mas a vila francesa de Oradour-sur-Glane, que nesse dia de 1944 foi martirizada pelos criminosos da Divisão Das Reich das Waffen SS. Ou farrapo histórico afim.
Por enquanto, todavia, a coisa vai-se dando & andando. Mormente desligado, o televisor não é capaz de encher de moscas oleosas o ar da casa. (Para mais, tenho de concluir por estas horas uma encomenda de trabalho que eu há muito deveria ter satisfeito. A ela tornarei em concluindo esta crónica.)
2 Concedo-me um breve interlúdio a horas decentes. Vou à pastelaria da praça e fumo dois cafés. Levo pão e arroz no bornal. A passarada conta comigo há anos já. Com discrição, vou atirando bolitas de miolo ao arrebol. A pardalada, esperta, aparelha-se em lugares estratégicos. É um festim que invariavelmente me paga o dia. Hoje, tenho o elogio da agricultura tal como versejado pelo romano Virgílio. No outro dia, foi a galega Rosalía de Castro, senhora que sabe estar. Camões aparece muitas vezes mas já sem pala: usa agora uma lente fumada tipo Ray-Ban que lhe não assenta mal. Outros delicados fantasmas devassam a esplanada. Alguns brincam a correr atrás do pão dos pássaros, fingindo uma fome e uma infância de que há muito se livraram. Guilherme d’Azevedo é um. Gervásio Lobato, outro. Continuam portugueses na eternidade esquecida que os nimba. De chitas humildes, vem a senhora catalã Mercè Rodoreda. Não me falta gente. Livre de corpo físico, é malta que faz bem ao velho que aprendo a ser sem grande esforço nem proveito por ‘í além.
E nisto se vai escoando o Verão assassino dos grandes incêndios e das caloraças irrespiráveis. Que o Diabo o carregue – como a mim me há-de carregar também, sendo tempo disso. E tu não estejas a rir-te.

2 comments:

Adelino Ferreira said...

Estou estou :)) desde que conheci este espaço já lá vão uns tempos (por um marinheiro com sede em Oslo e com blog que sempre visito e a quem nunca dirigi palavra) que aqui venho beber as crónicas do Daniel.
Sempre que o leio vem-me à memória um escritor/jornalista falecido recentemente.








Daniel Abrunheiro said...

Sinta-se sempre bem-vindo, Adelino. Muito grato pelas suas palavras. E o "marinheiro com sede em Oslo", idem.