Sunday, March 21, 2010

MUITAS COISAS PARTIDAS - VIII e IX


André Kertész - Distortion (1933)

VIII



Letras sem leitura juncam o lixo dos sonhos,
todos os outros na noite
antes de tua noite, depois de tua noite,
de outros corpos
prensados em motéis numerados,
pobres cavalariças usadas.






IX


Versos à medida
da vida mesma que me vai usando:
um salão de horas, cristais, espelhos
na treva do bosque em noites de lua
de barro e palha em paragens ermas,
sangrado o ocaso, veludada a noite,
menos a memória de ti
do que a tua memória.


Versos à medida:
uma folha de mármore,
a página só de cima escrita:
uma data de nomes,
uma data de datas.

No comments: