Friday, April 03, 2009

Rosário Breve nº 97 - in O Ribatejo - www.oribatejo.pt

(P)(S)(D) sou eu

Tirando 1974, ano em que ninguém governou, e 1975, ano em que o amanhã quase cantou, há coisa de 34 anos que somos desgovernados, alternada e inalternativamente, por um par de jarras de sigla-clone: o PS(D) e o (PS)D. Para este totobola não contam nem o partido dos eucaliptos, que foi CDS e agora é PP, nem a coligação dos rabos-de-cavalo, que foi UDP e PSR e agora é BE, nem o partido da cassete contra-o-grande-capital-e-as-políticas-de-direita. Portanto, a culpa disto tudo é minha.
Três décadas e quase meia de PS(D) e/ou(PS)D: e a culpa é minha. Já não assobio para o lado. Quando raspo a barba, barbeio, olhos nos olhos, o culpado disto tudo.
É certo que tenho alguma gramática, mas nenhum cartão, sequer de multibanco (ou multibando, conforme a perspectiva).
É verdade que possuo dois pares de sapatos, um de pantufas e outro de chinelos de banho, mas nenhum sítio para onde ir.
É real que tenho certa queda para a poesia, mas lugar algum onde cair morto, quanto mais poeta.
A culpa é minha. O senhor Flaubert era Madame Bovary. (P)(S)(D) sou eu: Patego, Sonso, Desequilibrado; Picuinhas, Sentimental, Doidivanas; Portuga, Seminal, Delicodoce; etc.
Quando me casei com esta senhora que hoje me tem, ela não sabia. (Fiz por lhe não contar, que isto de ser burro também tem seus dias não contados. Morrendo, fina-se a burrice que é um mimo.)
O problema é enquanto não se morre. Nasceu-se, nasceu: nada a fazer. É aguentar a coisa, trinar o fado com o fiapo de bacalhau a apodrecer a anfractuosidade dentária, benficósportingar umas minis, chupar o mata-ratos e saudades à prima.
Mas à noite, enrolado na fria lona que resgatei ao espólio da tropa, consolo-me todo de o (P)(S)(D) ser eu.
Eu e tu também, meu culpado leitor: não assobies, que tens espuma de barbear na boca.

No comments: