Monday, July 09, 2007

Não Fiável, Idiossincrático Palácio



Para Pat e Gab, em Buenos Aires














We all have different memories of life.
The human memory is a very unreliable idiosyncratic device.

Roger Waters
A memória é esse palácio de inverno
tomado e retomado vezes infinitas
pelo mesmo bolchevique: um eu
qualquer.

Um eu qualquer escrevendo à noite
para constituir uma memória nova, amanhã:
a manhã antiga.
Nova e tão pouco fiável como
todas as manhãs e todas as memórias:
todos os palácios.

Um bolchevique qualquer caindo na escadaria
durante o assalto, na vez afinal finita
da recordação: a única diferente:
a última.

Qualquer é eu.
Não recordo outro.

Quantas vezes, ante um bosque,
a lembrança do mar vara o tomador
do palácio?
Quantas vezes?
Uma única mesma mentirosa anelante
vez.

O homem do fato escuro
descendo a calçada molhada
de lojas crepusculares,
a luz das lojas
molhando-lhe os passos,
entristecendo-o um pouco
sem razão, talvez.

A mulher de robe cor-de-rosa
(e flores verdes, carnívoras, estampadas)
finalizada na saleta de televisão
do Lar, ante a televisão-bosque,
antes de lembrar-se amanhã
do mar.

Acontece sempre uma voz alheia
chamar dela
às minhas coisas
bolcheviques
escritas à noite
– e eu chamar minha
a tal alheia de facto
voz.

A luz que vem da televisão,
a luz que vem das lojas,
o olhar das flores de robe,
os passos do fato escuro.

Os passos do fato escuro
no primeiro degrau
da escadaria
do último palácio,
amanhã.

Texto: Caramulo, noite de 9 de Julho de 2007
Fotografia: Caramulo, manhã de 6 de Julho de 2007

2 comments:

José Antunes Ribeiro said...

Fiável Palácio da Poesia, caro Daniel!Excelente poema, ora leiam se fazem favor!
Um abraço.

Paula Raposo said...

Dancei com este poema...