Monday, December 04, 2006

Coisas como o Outro - história 39 do Anoitecer ao Tom Dela

Ouve-se hoje,
entre as 22 e as 23h00,
na Emissora das Beiras,
em 91.2 FM
ou
1
É sempre preciso ter cuidado com os peões, sobretudo quando também se vai a pé. Uma colisão frontal com outra pessoa, neste tempo de inverno, tanto pode dar chatice, como caso de seguros, como casamento.
0001 Georges Brassens – La Marche Nuptiale

2
Que nunca te falte a vontade de ter vontade. Nem a humidade de tomar banho. Nem o dente para a farripa de bacalhau. E que, sobretudo, não te falte bacalhau. O dente ainda é como o outro.
0002 Dee Dee Bridgewater – Angel of the Night

3
És um homem, estás na praia, o verão acontece todo ao mesmo tempo como uma estufa benigna. A tua toalha, na areia, está entre duas outras toalhas. E as outras toalhas estão ocupadas por próximas bronzeadas moças. Agora, chega a tua mulher. A tua mulher estende a toalha dela e não diz nada, antes pelo contrário. É o paraíso. Agora, acorda.
0003 Anita O'Day – Georgia on My Mind

4
Não aproveites as cordas da chuva para enforcamento algum, muito menos para o teu. Há tempo para tudo. Já viveste o suficiente para perceber isso, ou não? Bem… De modo que aproveita a chuva para falar de outra coisa, sei lá, do tempo – ou assim.
0004 Area – 1978 Gli Dei Se Ne Vanno Gli Arrabbiati Restano! Hommage A Violette Nozières

5
E olha, se te apetecer chorar, pois sê bem-vindo ao clube. Às vezes, dá-me ideia que tu pensas estar sozinho. Se calhar, é por isso que te apetece chorar. É como se quisesses ser um manda-chuva particular, não é? Deve ser. Eu também não sei tudo sozinho.
0005 Mafalda Arnauth – Este Silêncio que Me Corta

6
A passarada desata a soprar flautas de mansinho, flautas doces com furinhos de cana-de-açúcar. O arvoredo inaugura-se a si mesmo, de novo o faz, o sacana do arvoredo. Engraçado, em portuguesa língua, chamar-se, ao bosque, “mata”. Aquilo vive, não mata.
0006 Diana Krall & Art Garfunkel – Morning Has Broken - The Chieftains

7
Já ninguém é, nem quer ser, príncipe encantado. Muito menos bela adormecida. A bipolaridade não é exclusiva do Planeta Terra. Maníaco-depressivo? Só se me obrigarem, sinceramente. E mesmo assim, não sei. Enfim, umas vezes alegre, outras contente. Ou antes pelo contrário.
0007 Adam Ant – Prince Charming

8
O antigo assassino de prostitutas e outras deserdadas da vida, esse senhor de boa sobrecasaca e melhor cachimbo, emigrou em segurança para a terra prometida que ele mesmo, a si mesmo, prometeu. Chegou bem e está de saúde.
0008 Sting – Englishman in New York

9
Já te disse há bocado para não te pores com ideias sobre a chuva. O melhor, nestas circunstâncias invernosas, é apanhar um táxi para outra ideia. Ou calçar botas de borracha. Vamos lá a ver. Ora, ouve cá.
0009 Paul Simon – Gumboots

10
Adeus, adeus, até mais ver – ou não. Nunca se sabe, nem se adivinha, se o que se avizinha, vai ser… o for que seja. Cases ou não pela igreja, fiques-não-fiques-sozinho, um pouco d’alma, uma pouca de vinho, adeus vizinho, adeus, adeus, até mais ver.
Astor Piazzolla – Adiós Nonino



Caramulo by night, 4 de Dezembro de 2006

No comments: