Monday, August 28, 2006

No Caso de Viajares, Leva estas Quadras

Veronica Hamel, a.k.a. Joyce Davenport


"...y una superficie que parecia huír de los viajeros como agua oscura."
(J.B. Priestley, The Good Companions/Los Buenos Camaradas, tradução argentina de León Mirlas, Editorial Nova, Buenos Aires, 1947, página 117)





Se fores à Pérsia
e voltares
traz-me o perfume
da minha infância.


Se fores a casa de minha Mãe
garante-lhe
que continuo
a respirar.


Se fores à Nau dos Corvos
guarda-me
numa folha de papel
o que puderes de vento.


Se fores a uma casa de pasto
conta-me a história
do comedor
solitário.


Se fores com uma mulher
recorda-me
como era
por favor.


Se fores ao cemitério
anota
cada primeiro nome
cada último dia.


Se fores a Queluz
no dia 7 de Agosto de 1978
impede que morra Ruy Belo
amanhã.


Se fores a casa de Veronica Hamel
diz-lhe
que amo
Joyce Davenport.


Se fores à página 117 de Los Buenos Camaradas
livro que acabou de imprimir-se no dia 12 de Abril de 1947
na Imprenta López - Peru 666 - Buenos Aires
traz-me um copo dessa água obscura.


Se fores a Logo de Deus
diz ao povo
que minha avó Joaquina
não volta entretanto.


Se fores a Portugal
garante-lhe
que lamento
que o lamento tanto.


Se fores à morte
confirma-me se é branca
como a manhã
e a roupa dos médicos.


Se fores à casa-de-banho
não guardes do espelho
o poster
triste.


Se voltares da minha infância
não despejes de novo nela
esse copo de água obscura
amanhã.


Caramulo, noite de 26 de Agosto de 2006

6 comments:

Paulo G. Trilho Prudencio said...

Belo, muito belo.

daniel abrunheiro said...

Ó Paulo, ela é que é bela, muito bela...

Paula Raposo said...

Sem palavras...deixei de as ter quando te leio, Daniel!

daniel abrunheiro said...

Paula: palavras sempre, para sempre. É tudo o que temos.

Paulo G. Trilho Prudencio said...

Também, também. Se bem me recordo, balada de hill street, certo?

daniel abrunheiro said...

hill street, sim. inesquecível.