Wednesday, August 30, 2006

Joe Strummer (1952-2002)






No dia 21 de Agosto de 1952 nasceu um bebé inglês na Turquia. Deram-lhe o nome completo de John Graham Mellor. O bebé fez-se homem e músico com o pseudónimo de Joe Strummer. Quando morreu de uma deficiência cardíaca congénita que nunca lhe fora diagnosticada, Joe Strummer tinha apenas 50 anos. A morte veio três dias antes do Natal de 2002.

Joe Strummer foi um revolucionário de pleno direito. Cidadão de palavra firme e clara, activista da liberdade, adversário da cegueira do dinheiro – tudo isto se pode e deve evocar a partir da sua vida. Ele acharia bem. As letras dos Clash, aliás, não recuavam perante temas como a degradação social, o desemprego, o racismo, a brutalidade policial, a repressão social, o militarismo e, até, o sexo…

É claro que foi, também, um excelente músico. Deu corpo, rosto e alma a vários grupos que ficaram para a história. O mais famoso desses grupos é, talvez, The Clash. Outros (muitos outros) dariam a alma e cinco tostões para terem atingido metade da importância dos Clash. Mas Joe Strummer fez mais. Fez, por exemplo, The Mescaleros.

A voz, a poesia e a guitarra-ritmo (inesquecível, aquela Telecaster preta) de Joe Strummer estiveram na origem de temas líricos que continuam por aí, à conquista pacífica do mundo.

Os Clash, cuja existência se estendeu de 1976 a 1985, criaram e interpretaram o melhor punk rock inglês. Ao micro, Strummer impunha uma presença de total empenhamento. Canhoto de nascença, o rapaz fora obrigado a aprender a tocar à direita, facto que lhe cortou a possibilidade de grandes virtuosismos na guitarra. Fez-se ritmista e safou-se bem. Mesmo sendo aqueles os tempos contemporâneos de uns tais Sex Pistols…

Há quem diga que o prestígio de Strummer e dos Clash tenha levado a uma autêntica explosão de bandas de garagem nas décadas de 80 e 90 do século passado. É bem mais do que apenas provável, essa hipótese. A mitografia do grupo inclui, naturalmente, drogas pesadas, paredes de hotel pintadas a spray. Mas a mensagem mais importante era esta: a insurreição e a redenção não são coisas forçosamente contrárias.

Depois dos Clash, e após a composição de músicas para filmes, chegou 1989, ano em que Joe Strummer iniciou a produção de discos com uma banda chamda The Latino Rockabilly War. As coisas, comercialmente falando, não arrancaram lá muito bem. Em 1991, Strummer fez um tour com os Pogues, substituindo o vocalista Shane MacGowan. Sem dar demasiado nas vistas, foi tendo outras experiências em colaboração com músicos de outras formações.

A vida já não seria muito longa para Joe Strummer quando ajudou a fundar aquela que viria a ser a última banda: The Mescaleros. O primeiro álbum saiu em 1999. Chamava-se, em tradução nossa, A Arte Rock e o Estilo Raio-X.

Para trás, tinham ficado os Clash, mas a música do grupo voltava a ouvir-se, desta vez por Joe Strummer e os seus Mescaleros. Faz bem ouvir temas cujas palavras fazem pensar. E que fazem pensar lucidamente.

No dia 15 de Novembro de 2002, Strummer e os Mescaleros tocaram em benefício dos bombeiros de Londres que estavam em greve. Ao palco, subiu, para surpresa de todos, o velho companheiro dos Clash Mick Jones, que Strummer tinha despedido nos tempos que antecederam a decadência do mais alto grupo de punk rock de que há memória.
Veio então o dia 22 de Dezembro de 2002. Falava-se na possibilidade de uma reunião dos Clash. Nunca acontecerá.






(Texto construído a partir, sobretudo, de informações da Wikipedia.
A transmitir hoje, 30 de Agosto de 2006, na rubrica Filhos da Madrugada do programa Anoitecer ao Tom Dela, de Sandra Bernardo, na Emissora das Beiras, 91.2 FM. A rubrica vai para o ar às 23h. Também é possível ouvir o Anoitecer ao Tom Dela na internet. O programa vai das 20 às 24 horas. Clicar em http://www.radio.com.pt/, depois escolher Distrito-Viseu e Concelho-Tondela. Todos os dias, de 2ª a 6ª. Mais informações úteis em http://www.anoiteceraotomdela.blogspot.com/)

6 comments:

Paula Raposo said...

Uma óptima informação. Obrigada.

Paulo G. Trilho Prudencio said...

Obrigado.

Anonymous said...

Strummer e os Clash? Mas tu gostas dos Clash, dog? Os Clash são uma das minhas bandas de eleição. Tenho tudo deles: The Clash, Give`m enough rope, London Calling, Sandinista, Combat Rock, cut the crap e as colctâneas e b sides, claro... Os clash estão ao nível dos stones são uma das mellhores bandas de todos os tempos. Eu sou fã da prmeira hora, segui-os sempre religiosamente, não dormi até ter o london calling em vinil nas mãos. É uma pena que já não existam os clash. Da grande música rock restam-nos os pearl jam (até os pumppkins morreram) mas não é a mesma coisa... Ah e esqueces outra banda de referência que também creio ter sido fundada pelo strummer: os Big Audio Dynamite (BAD). Excelentes! Um programa de rádio que passa os clash só pode ser coisa boa!
Topper (www.tapornumporco.blogspot.com)

daniel abrunheiro said...

Gosto muito dos Clash, claro.
De Joe Strummer principalmente.

Anonymous said...

cARO anónimo, anódino, felizmente os clash são para si uma boa banda rock; auditei o The Clash depois de, há 17 anos ter ouvido pela primeira vez (ainda estou nas primícias dos trinta). Sinceros, humildes, ingénuos, poderosos, nada mais do que uma banda de rock and roll de adolescentes DE ESQUERDA. Os sex pistols, sim, eram uma outra coisa, outro sopro, curto, incisivo e efémero, bando de marginais(we few, happy few, we band of brothers). Felizmente não eram uma banda, e muito menos rock and roll, e por isso não podem ser comparados aos clash ou aos stones.Os clash era uma banda altruísta, os pistols puro dinamite.
E os BIG aUDIO dYNAMITE NÃO FORAM FORMADOS PELO sTRUMMER MAS PELO jONES.
respeitosamente
l. bERNARDO

Anonymous said...

cARO anónimo, anódino, felizmente os clash são para si uma boa banda rock; auditei o The Clash depois de, há 17 anos ter ouvido pela primeira vez (ainda estou nas primícias dos trinta). Sinceros, humildes, ingénuos, poderosos, nada mais do que uma banda de rock and roll de adolescentes DE ESQUERDA. Os sex pistols, sim, eram uma outra coisa, outro sopro, curto, incisivo e efémero, bando de marginais(we few, happy few, we band of brothers). Felizmente não eram uma banda, e muito menos rock and roll, e por isso não podem ser comparados aos clash ou aos stones.Os clash era uma banda altruísta, os pistols puro dinamite.
E os BIG aUDIO dYNAMITE NÃO FORAM FORMADOS PELO sTRUMMER MAS PELO jONES.
respeitosamente
l. bERNARDO